Assista ao clipe de “Xerife”, nova música do Zé Maholics que trata da Greve da Polícia Militar que aterrorizou o Espírito Santo no ano passado

No início do mês de Fevereiro do ano passado, o Espírito Santo passou pela chamada Greve da PM, um movimento que surgiu devido a protestos organizados pelos familiares de policiais militares, que denunciavam algumas condições de trabalho absurdas e reivindicavam reajustes salariais e outras exigências. Por mais de vinte dias, diversos exemplos comportamentais asquerosos e deprimentes foram observados por aqui — tanto por parte de criminosos quanto de “pessoas de bem”.

Para relembrar tudo isso, o Zé Maholics lançou a música “Xerife”, que foi concebida durante este período, quando a maioria das pessoas resolveu trancar-se em casa e a banda optou por isolar-se no conforto sonoro de um estúdio. “A ‘Xerife’ foi escrita em meio a greve da PM no ano passado, e é nada mais nada menos do que uma série de questionamentos que nós nos fizemos durante esse período,” afirma o vocalista Vinicius Braga. “Essa música também é importante pra nós, porque marca o tom das novas composições e do próximo álbum, que já está em processo de produção.

Quando indagado sobre o maior questionamento que a banda teve sobre o ocorrido, Vinicius foi enfático em pontuar a postura da população capixaba. “A falta de interesse em se envolver mais em determinados tópicos importantes, econômicos e políticos e também o fato de que, enquanto sociedade, nós estamos num estágio moral muito primitivo, dependendo única e exclusivamente de ‘punição’ para nos prevenir do caos. A gente entende que teve muita coisa relacionada ao crime organizado nesse período, [mas] uma coisa que a gente se perguntou muito foi: ‘por que tanta gente saqueou lojas e estabelecimentos enquanto não tinha PM na rua?’,” alfineta o vocalista.

Ainda sobre o comportamento das pessoas em sociedade, o músico novamente exibiu todo o seu descontentamento com a forma em que muita gente prefere egoistamente se distanciar e apontar o dedo ao invés de buscar soluções em suas próprias atitudes. “De alguma forma, a população se colocou numa posição muito cômoda de colocar a culpa no governo ou na polícia, mas ninguém se envolve a ponto de estar mais presente em discussões como: quanto o governo gasta, com que gasta… Enfim, ninguém adota uma postura de resolver o problema, mas de se distanciar e criticar e jogar na mão de alguém a responsabilidade.

Texto: João Depoli; Foto de capa: Reprodução/YouTube.