Com Festival Circadélica cancelado, My Magical Glowing Lens fecha ciclo em show improvisado

deptulski-my-magical-glowing-lens-circadelica-theodora-charbel
Foto de capa: Theodora Charbel/Divulgação.
PUBLICIDADE

Nesse último fim de semana, Sorocaba (SP) amanheceu preparada para mais uma edição do tão antecipado Festival Circadélica. Com um line-up que envolvia headliners como Tropkillaz, Emicida, O Terno, Flora Matos, Vanguart, Fresno e mais, o evento estava agendado para o início da tarde de sábado (28). No entanto, com sua entrada impedida pela Polícia Militar e após um atraso de mais de quatro horas, a organização informou que o evento seria cancelado devido à ausência de um alvará do Corpo de Bombeiros.

“LUTAMOS ATÉ O FIM. Infelizmente, FORÇAS PODEROSAS impediram o Festival Circadélica de acontecer este ano”, diz o início da mensagem publicada em suas redes socais. “A arte e a música independente vão continuar resistindo! Continuamos lutando, de cabeça erguida, certos de termos feito tudo que estava ao nosso alcance”.

Quem estava escalada para se apresentar no primeiro dia do evento e se viu prejudicada com o cancelamento foi a My Magical Glowing Lens. Com sua líder Gabriela Deptulski pronta para embarcar em novos projetos—como a gravação de um clipe para “Space Woods”, a composição de um novo álbum, a produção do disco de estreia do duo Transe e uma trilha sonora para um espetáculo de dança—, a banda faria neste sábado uma espécie de fechamento de ciclo de seu disco Cosmos (2017). “Depois [desse show] daremos início aos ensaios de músicas novas! Experimentos caseiros já estão rolando, muitas ideias!”, publicou Deptulski nas redes do grupo.

PUBLICIDADE

Sem se deixar abalar—afinal, Gabriela e companhia já se viram em situações muito piores, como a internação repentina de seu baixista em Curitiba no final de maio—, a My Magical Glowing Lens se juntou às bandas BIKE, Tagore e Miêta na busca de uma chance de não perderem a viagem. Felizmente, os quatro grupos conseguiram desenrolar uma apresentação de última hora na casa de shows Maloca, onde começaram os trabalhos a partir das 22h.

Mesmo sem o Circadélica, Gabriela conseguiu encerrar o ciclo de Cosmos ao lado do baixista Pedro Moscardi (TSM), da tecladista Thaysa Pizzolato (Auri) e do baterista Henrique Paoli (André Prando). “A diversão abre as fissuras da casca dura dos ouvidos que só ouvem!”, publicou a multi-instrumentista no Instagram da banda na manhã dessa segunda-feira (30).

my-magical-glowing-lens-mieta-tagore-bike-maloca-circadélica-ins
MMGL e as demais bandas que se reuniram no Maloca (Reprodução/Instagram).

Texto: João Depoli; Foto de capa: Theodora Charbel/Divulgação.

Quer ficar por dentro do que acontece no circuito musical do Espírito Santo? Siga-nos no Facebook ou no Instagram e pare de passar vergonha dizendo que “por aqui não se faz música boa”!

PUBLICIDADE