Em apresentação exclusiva, Símios se reencontra no Vitória Rock Festival

símios-vitória-rock-festival-divulgação
Foto de capa: Símios/Divulgação.
PUBLICIDADE

A pouco mais de um mês de sua terceira e última etapa seletiva, a segunda edição do concurso de rock promovido pela loja de motocicletas Vitória Harley-Davidson, o Vitória Rock Festival, tem dado o que falar. Enquanto a sua edição inaugural mesclou bandas autorais e covers na mesma disputa (que culminou na vitória do grupo The Muddy Brothers), nesse ano o evento trouxe categorias independentes com seu Original Band e King of Cover. Além de apresentar diversas bandas locais numa estrutura digna de grandes festivais, o Vitória Rock Festival também contou com headliners de peso em cada uma de suas etapas.

Na primeira delas, ainda em abril, Vitória viu Gustavo Macacko e seu Espírito Rock, um show que levou o público a uma viagem rock pela música feita no Espírito Santo ao longo das décadas—que inclusive rendeu reprises em Domingos Martins e até no Rio de Janeiro. Já na sua segunda seletiva, realizada no final de junho, o evento teve como grande atração uma espetacular apresentação de um dos mais icônicos grupos já formados no estado, o Pé do Lixo.

PUBLICIDADE

Agendada para o dia 15 de setembro, na Arena Shopping Vitória, a próxima etapa da disputa segue com shows de André Prando, The Devils, Cinco Nós e Riffbiller no quesito autoral, além de Beast Sides (Iron Maiden), Dona Fran (Led Zeppelin), Dublin (U2), Everlong (Foo Fighters), Pink Flaming (Pink Floyd), Quintal Selvagem (The Police) e Yellow (Coldplay), no segmento cover. Seguindo a tradição de inusitadas e emblemáticas performances, o headliner da noite será o Símios, um grupo que fez história no circuito do rock capixaba autoral.

Com a promessa de “contar no palco uma história que estava em silêncio[,] mas que nunca será esquecida”, Daniel “Danny Boy” Piazzini, Gustavo Macacko, Bruno “Piui” Zanetti e Ricardo “Cachalote” Mendes se reencontram após 13 anos para uma apresentação única. Atrás de um show em tom comemorativo, o quarteto pretende encaixar em seu repertório todo o rock neolítico de seus três discos—Símios (2000), Déjà vu (2002) e Hospício Eu (2006)—, com direito a clássicos e lados B como “O Tempo e o Vento”, “Rodeado de Green”, “Vamo Acender” e “Euforia Etílica”.

Texto: João Depoli; Foto de capa: Símios/Divulgação.

Quer ficar por dentro do que acontece no circuito musical do Espírito Santo? Siga-nos no Facebook ou no Instagram e pare de passar vergonha dizendo que “por aqui não se faz música boa”!