Orgia Nuclear escancara insatisfação com o sistema em seu novo álbum, 'Desgastado'

Após oito anos de estrada, banda expressa “dor e prazer [e] loucura e persistência em uma existência decadente” com ‘Desgastado’, seu primeiro disco de estúdio

desgraça-na-terra-fest-orgia-nuclear-divulgação
Foto de capa: Orgia Nuclear/Divulgação.
PUBLICIDADE

“O desgaste emocional e social abala, frustra e machuca, mas no fim nos tornamos fortes guerreiros e, com as quedas, traições e cicatrizes, [absorvemos] outros valores e importâncias”, desabafa o vocalista e baixista Jonathan Hellthrasher Maniac, líder da Orgia Nuclear. Fundada na Serra, em 2010, a banda acaba de lançar seu primeiro álbum de estúdio, Desgastado. “Uma parte de mim e da sintonia que me fez chegar até onde estou e o que me tornei”, afirma o músico sobre o lançamento.

Gravado no Darkside Studio, em Recife (PE), o registro foi disponibilizado oficialmente no dia 2 de julho na página da banda no Bandcamp—que também abriga o EP Caos Total (2013), a demo Eliminando os Falsos (2014) e os vários singles e splits do grupo. Além da divulgação virtual, Desgastado também chegou ao mercado físico, com cópias nos formatos CD e cassete distribuídas por diversos selos nacionais e internacionais (sim, até na China ele chegou).

Com 10 faixas autorais cantadas em português (como seus demais trabalhos), a Orgia Nuclear garante que preparou um álbum para “os amantes possessos do oculto e sombrio Speed/Thrash e Black Crust”. De acordo com seu vocalista, o resultado reflete “dor e prazer [e] loucura e persistência em uma existência decadente”.

PUBLICIDADE

Entre canções como “Delírio Instigante”, “Fim do Mundo” e “Desgastado”—que revelam claras influências de grupos como Ratos de Porão, Darkthrone e Motörhead—, cabe ressaltar a intensidade e expressividade de sua introdução, “Desordem e Desgraça”. Antes de um discurso moribundo e aflito, ela reproduz trechos de reportagens sobre a greve da PM no Espírito Santo, o desastre do Rio Doce e a posse de Michel Temer para assim escancarar as diversas facetas do sentimento de desgaste que une as faixas do álbum.

“Vivemos em uma era fétida e hostil, sendo consumidos pelo sistema usurpador, o qual nos limita, abusa e mata, fazendo pagar tão caro para respirar o ar podre de poluição causada pela massa burguesa capitalista de merda. A miséria maquiada jamais será elevada a níveis de moral. Aqui a decadência é real!”

Antes de lançar Desgastado, a banda também preparou um videoclipe para o single “Profano Andarilho”, disponibilizado ainda em setembro do ano passado. O registro foi dirigido e estrelado pelo próprio Hellthrasher, que caminha pelos municípios capixabas de Vitória, Vila Velha e Serra em sua peregrinação profana.

Escute abaixo o disco na íntegra e aproveite para assistir ao clipe de seu primeiro single.

 

Texto: João Depoli; Foto de capa: Reprodução/YouTube.

Siga o Inferno Santo no Facebook e no Instagram e pare de passar vergonha dizendo que “no Espírito Santo não se faz música boa”!

inferno-santo-thumbnail-svg

PUBLICIDADE