Crítica e resistência em ‘Afronauta’, o EP de estreia do grupo Soltos & Prensados

Após 14 anos de estrada, quarteto lança seu EP de estreia com cinco canções que valorizam a cultura de rua e a identidade afro-brasileira

soltos-e-prensados-afronauta-ep-divulgação
Soltos & Prensados (Divulgação).
PUBLICIDADE

“Muito obrigado a todo mundo que fortalece, aos músicos e produtores, amigos e todo público. Maior satisfação compartilhar nosso trabalho com vocês”, publicou o grupo Soltos & Prensados em suas redes sociais no dia 25 de setembro sobre Afronauta, seu EP de estreia.

soltos-e-prensados-afronauta-ep-ruacorona
EP ‘Afronauta’ (Arte: Ruacorona).

Unidos há 14 anos pela música e o skate, a banda tem em sua formação os músicos Jefinho Faraó (vocal), Leandro Bonfim (guitarra), Nego Léo (bateria) e Michel Sponfeldner (baixista)—seu mais novo membro. Fundada como uma espécie de projeto paralelo de seus integrantes, o Soltos & Prensados viu a oportunidade de registrar seu trabalho a partir dos estudos de produção e gravação de seu guitarrista.

PUBLICIDADE

“A gente faz música porque gosta. Cada um tem sua carreira, mas gostamos de tocar juntos. São vários estilos soltos e prensados numa mesma banda. Não tem preconceito musical, se quisermos podemos até fazer música pop, mas claro que com nossa pegada, com o estilo de composição que tem nossa cara. As pessoas já conseguem identificar isso, a banda consegue imprimir um estilo próprio”, disse Bonfim em recente entrevista ao Século Diário.

Com influências absorvidas dos demais trabalhos de seus integrantes, como os grupos Zémaria, Fusion Dub e Funk Retrô, e também do universo do skate—isto é, rap, dub, reggae, punk rock e música eletrônica—, Afronauta conta com cinco faixas autorais que mesclam o analógico ao eletrônico para falar sobre os jovens negros da favela e a desigualdade social no país.

Mixado pelo próprio Bonfim e com masterização de Felipe Gama (Gama Soundz), o EP conta com cerca de 20 minutos de duração. Começa com o grito de resistência “É Possível Seguir” e segue para um retrato do cotidiano em “Funk do Bom”. Em seguida, “Súplica” apresenta um doce momento reggae contraposto pelas batidas de hip-hop que servem de cama para a realidade dura retratada na faixa-título, “Afronauta”. O EP então chega ao fim com a contemplativa “Apenas um Olhar”.

PUBLICIDADE

 

“Eu moro logo ali, por favor deixa eu passar/Minha família me espera em casa/ Não tenho tempo pra sorrir/Afronauta”

 

No EP Afronauta, o quarteto Soltos & Prensados finalmente imortaliza seu grito de valorização da cultura de rua e da identidade afro-brasileira. Deixa um conjunto de críticas autênticas e contemporâneas que propõem ao ouvinte a reflexão sobre os problemas sociais que reinam no país, sobretudo num momento tão delicado na história da nação.

Ouça:

Texto: João Depoli; Foto de capa: Divulgação.

Siga o Inferno Santo no Facebook, no Instagram e no Twitter e pare de passar vergonha dizendo que “no Espírito Santo não se faz música boa”!

inferno-santo-thumbnail-svg

PUBLICIDADE