Marcelo Buteri abre o jogo sobre o retorno da banda Take Me

capa-marcelo-buteri-take-me-fotolog
Foto de capa: Reprodução/Spotify.
PUBLICIDADE

Fundada em Vitória no ano de 1999, o Take Me se estabeleceu com uma banda de punk rock/post-hardcore influenciada por artistas norte-americanos como Jawbreaker, Sparta, Samiam, Taking Back Sunday, Helmet e Seaweed. Sua formação contou com o vocalista e guitarrista Jean Diaz, o baixista Jorge Fernandes, o baterista Marcelo Buteri e o guitarrista Leonardo Ramos — que deixou a banda em 2008 para se dedicar ao seu novo grupo, o Supercombo.

Durante os dez anos em que esteve na ativa, o grupo fez inúmeros shows, trabalhou com produtores renomados do cenário nacional (Marcello “Índio” Cardoso, Rafael Ramos e Jorge Guerreiro) e lançou os discos Bem-Vindo, Inverno (2003) e A Divisão do Espaço (2008).

No início de 2009, o Take Me anunciou o fim de suas atividades declarando que estava entrando num estado de hibernação. “A banda chegou em um estágio que não tem mais o que fazer. […] O nosso vocalista/guitarrista Jean, irá morar em São Paulo com a sua outra banda, o Supercombo. Vai tentar realmente viver de música e desejamos toda a sorte do mundo,publicou Buteri na época. “Por esses dois motivos vimos que não dá para continuar… pelo menos por enquanto, e como a gente soube a hora de parar, a gente vai saber a hora de voltar e vocês irão saber.”

E a hora chegou! Depois de uma apresentação no Stone Pub em 2014, o Take Me agora decreta seu retorno com um show no Motor Rockers, na Quarta Autoral desta semana (18), às 19h. Jean, Jorge e Marcelo se juntam novamente a Leonardo para a primeira de muitas apresentações da banda e nós conversamos com Buteri sobre o que há por trás desta volta. Confira!

João Depoli: Em Fevereiro de 2009, você foi ao antigo Fotolog do grupo para anunciar que o Take Me estava entrando num “estado de hibernação”. Agora, nove anos depois, vocês estão com um show marcado para esta quarta-feira (18). O que motivou este retorno?

Marcelo Buteri: Naquela época, o Jean e o Léo estavam com o Supercombo, com planos para morar em SP e viver da banda e aí ia ser difícil continuar com o Take Me. Em 2014, fizemos um show no Stone Pub e paramos novamente, porém desde o ano passado, eu, Jean e Jorginho estávamos nos reunindo para tocar uns covers e relembrar umas músicas do Take Me, até que colocamos uma pilha no Léo para poder fazer esse show de quarta agora e com isso veio a vontade de colocar a banda na ativa novamente.

E o que vocês prepararam para esta performance?

Estamos colocando as músicas dos nossos dois discos, com um cover do Seaweed e algumas passagens de bandas que gostamos entre algumas músicas nossas. Irá ter também umas músicas do Supercombo da fase que o Jean era da banda.

take-me-motor-rockers-quarta-autoral-leo-ramos-supercombo-divulgação-facebook
Foto: Divulgação/Facebook.

Qual a expectativa de poder mais uma vez subir ao palco com esses caras para representar uma banda que esteve tão presente no circuito underground do começo dos anos 2000?

É demais. São meus amigos desde 1995. Amo esses caras e amo o Take Me. É uma banda que eu sempre fui fã antes mesmo de tocar nela. Vai ser demais. Estou bastante empolgado.

PUBLICIDADE

Então essa apresentação será muito mais que uma noite apenas para celebrar a carreira da banda.

Sim, queremos tocar mais vezes. Logisticamente não sei como iremos fazer por conta que o Léo mora em São Paulo e tem o Supercombo, mas conseguiremos acertar isso com calma.

Emplacar um sucessor para A Divisão do Espaço seria pedir demais?

Vai rolar. Jean é uma máquina e já estamos com umas 20 músicas para podermos fazer, estruturar e gravar. Isso é certo que irá rolar.

Naquela época, as composições do grupo eram marcadas por reflexões e o cotidiano de uma forma geral. Hoje em dia, tanto em termos instrumentais quanto líricos, no que vocês buscam influência para compor as novas canções?

A pegada acaba sendo a mesma. Nós ouvimos as mesmas coisas que sempre ouvíamos. Nossas maiores influências são o Jawbreaker, Samiam, Helmet, Seaweed, dentre outros, então fica na mesma pegada. O jeito de Jean escrever é bem pessoal e tem uma identidade bem forte, porém estamos sempre abertos para coisas novas e influências novas.

Com esse retorno, o que o público pode esperar do Take Me para esse ano?

Como eu disse, queremos fazer mais shows de uma forma calma e com certeza um novo trabalho. Sem dúvidas isso é certo e estamos abertos a convites para shows.

Texto: João Depoli; Foto de capa: Reprodução/Spotify.

Siga o Inferno Santo no Facebook e no Instagram e pare de passar vergonha dizendo que “no Espírito Santo não se faz música boa”!

inferno-santo-thumbnail-svg

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE