Saudades, esperança e otimismo marcam ‘Tempo ao Temporal’, o novo EP do Bongrado

Com três canções inéditas, Guilherme Cysne disponibiliza o segundo EP de seu projeto autoral solo, o Bongrado

guilherme-cysne-bongrado-marcela-bicalho-divulgação
Guilherme Cysne (Crédito: Marcela Bicalho/Divulgação).
PUBLICIDADE

“Já faz tanto tempo daquele nosso tempo de se ver o tempo todo, de estar junto um do outro sem contar o tempo”, canta Guilherme Cysne no início de “Até Segunda”, a faixa de abertura de seu novo EP. Embora a canção tenha sido composta para seus amigos de faculdade, ela soa como se ele estivesse analisando a própria relação entre seu público e seu trabalho solo, o Bongrado. Talvez esse tempo se refira ao período que se passou entre o lançamento de seu EP de estreia, Nômade (2016), e este novo trabalho… Ou talvez eu esteja apenas falando besteira. O importante é que Tempo ao Temporal está finalmente no ar.

PUBLICIDADE

“Muito obrigado a todos que acompanharam a saga de lançamento, espero que vocês curtam! De coração, foi um trabalho feito de muito BOM GRADO (com licença desse trocadalho do carilho que é obrigatório)”, agradeceu o músico em suas redes sociais ao disponibilizar o novo registro.

Lançado no dia 17 de setembro, o disco foi gravado por Thales Malacarne, no Eldorado Estúdio, em menos de uma semana. Apesar de repetir a fórmula de seu EP anterior, em que Cysne compôs, arranjou, produziu, tocou e cantou todas as canções, dessa vez ele resolveu “quebrar o protocolo” desse exército de um homem só e convidou o amigo e baterista Leandro Stein (Quintal Selvagem) para participar do processo.

guilherme-cysne-bongrado-tempo-ao-temporal-capa-ep-instagram
‘Tempo ao Temporal’ (Crédito: Divulgação).

Com uma sonoridade pautada no pop rock nacional, Tempo ao Temporal apresenta três faixas com influências diversas, abrangendo desde o indie rock à MPB. Como já mencionado anteriormente, os trabalhos começam com a nostálgica “Até Segunda”, que discute as dificuldades da transição da vida universitária ao mercado de trabalho adulto e a eventual distância entre pessoas queridas.

Em seguida vem a melancolicamente doce “Nem Tudo Que Teve Fim Deu Errado”, que fala sobre o fim de um relacionamento e o doloroso, porém necessário processo de seguir em frente. “Pra deixar o passado passar é preciso aceitar o presente presentear/Sempre haverá um novo dia, uma chance pra sorrir/Sempre haverá um novo dia, uma estrada pra seguir”, canta como se tentasse convencer a si mesmo de que tudo vai melhorar.

Para encerrar o EP, Cysne introduz sua faixa-título, a otimista “Tempo ao Temporal”. “O temporal é temporário/Meu bem não se preocupe/Olha lá no céu um azul entre as nuvens/Parece que já já o sol vai brilhar pra nós também/Esse tempo vai mudar”, canta esperançoso.

PUBLICIDADE

Compartilhe abaixo das sensações e reflexões que Guilherme Cysne apresenta no segundo trabalho do seu projeto solo e fique ligado, porque logo mais ele vai divulgar um videoclipe para “Até Segunda”, além de, é claro, os novos discos de Rising Bones e Merci, nos quais assumiu o papel de produtor.

Texto: João Depoli; Foto de capa: Marcela Bicalho/Divulgação.

Siga o Inferno Santo no Facebook, no Instagram e no Twitter e pare de passar vergonha dizendo que “no Espírito Santo não se faz música boa”!

inferno-santo-thumbnail-svg

PUBLICIDADE